1986 – Morte de Samora Machel

O DN dedicou, além da primeira página, mais seis páginas ao trágico acidente, com a história, reações, reportagens, o que demonstra o impacto que esta morte teve no nosso país, a ponto de o Governo decretar três dias de luto nacional.

Samora Machel

Samora Machel

“Quando um dia, mais velho, me recolher à paz da minha região, voltarei a entreter-me com a terra, os bois, o sossego do campo”, tinha dito ao DN, em 1981, o presidente da República de Moçambique, Samora Moisés Machel. O revolucionário que liderou a guerra da independência do seu país não conseguiu esse sonho que previa ser aos 60 anos, quando se retirasse da política. Morreu aos 53 anos, no dia 19 de outubro de 1986, quando o avião em que se viajava, da Zâmbia para Maputo, se despenhou. O “pai da nação” moçambicana foi um dos líderes africanos mais respeitados e acarinhados do mundo. Com Portugal não tinha qualquer preconceito neocolonial: “Quer queiramos quer não, a história liga-nos. (…) Camões ligou-nos muito também. Todos pensamos em português. O nosso esquema é português, a nossa maneira de ser é portuguesa, a nossa personalidade aparece exprimida em português”, reconheceu numa entrevista ao Expresso, no início do mesmo mês em que perdeu a vida. VALENTINA MARCELINO

Deixe o seu comentário